2012

LabSurLab, 2012.

Em junho de 2012 acontecerá em Quito, no Equador, a segunda edição do LabSurLab. O evento promove a temática da experimentação para a inovação social urbana. LabSurLab está aberto para participações e apoios de instituições, grupos e indivíduos que estejam interessados na promoção, criação e uso de tecnologias sociais.

                      *foto do LabSurLab de 2011, por MidiaTatica

 

Mais informações podem ser vistas no site.

 

Festa no ip://

Acontece no próximo dia 03 de março, uma festividade que dará início às atividades no ip:// (ipê), em 2012. Nessa data haverá bazar do troca- troca, feira de materiais anarquistas, livros livres, comiva vegan, oficina de minhocário e pinhole, concerto do portão, mutirão de plantio e circo akrata. O espaço ip:// (ipê) está localizado no morro da Conceição no Rio de Janeiro, agrega ações autogestionadas, além de um constante fluxo de pessoas e idéias.

 

Cparty 5: Passa e não fica...

Depois de quase uma semana após a Campus Party, algumas pessoas queridas compartilharam na lista #Submidialogia suas percepções sobre o evento. A minha, depois de participar em 4 edições do evento (3 delas envolvida diretamente na organização) é bastante parecida com a da Andrea Saraiva:

Tempo curto, lidando com vidas atualmente, 13 comunidades em conflito constante de território, sou levada a priorizar locais de atuação. Tô correndo longe de eventos desse tipo.

Vj Varga deu uma oficina de TV Pirata e Felipe Brait fez uma performance na mesa "Digitofagia X Digitoemia", na área de Arte Digital:

Minha fala é a "Sexo, Futebol e Revolução 2.0". Pretendo fazer uma epopéia poética sobre produção de afeto entre Primavera Arabe 2011, era das marchas na av. Paulista, ativismo russo (FEMEN e VOINA) e democracia corintiana, além de alguns outros aperitivos históricos !!!

Lelex lançou na lista:

Única coisa que vi foi algo sobre Brazuca (Ricardo Brazileiro) e o Cotidiano Sensitivo, e algo com Campus Party tem mulher bonita: um monte de mina bonita gostosa que foi contratada pra ser mulher produto. De resto, a mesma lenga-lenga de sempre: os pop stars enchendo a gente de links chamando pra assitir sua apresentação sobre o que falam desde a primeira edição. Ah, também soube que reduziram ventiladores e água na área das barracas.leia mais >>

É possível metareciclar o Campus Party?

Foi a pergunta que fiz pro Regis e sugeri que ele respondesse em vídeo no último dia de colaboração. Antes disso, ele havia relatado na lista, no dia 11/02, um fato bem interessante que tinha acontecido no dia anterior:

Bandos,
Nos desvios e backdoors no #cpbr5.
Ontem com Marcio Black numa ação de desviante me levou para o palco, onde falei dos fluxos e dos processos metarecxs (do digital ao analógico, dos quintais ao corpo, das pajelanças digitais e das fronteiras movéis dos bandos nômades). Já tinha esquecido o assunto quando fui abordado por um campuseiro que queria  saber onde eu falaria de novo.
Bailux aleatórios em trilhas 3D.
ha!!!!

E então, vem a pergunta: